Caminhos e Vinhos, combinação perfeita no Vale dos Vinhedos


Se preferir, veja o álbum de fotos do evento no flickr.

Contornados pelos rubros e amarelos, em miríades de tons das folhas secas de plátanos e videiras, 26 bicicletas com seus felizes cicloviajantes coloriram o outono ameno da Serra Gaúcha no último feriado de Corpus Christi.

O mote, centrado no Vale dos Vinhedos, a única região brasileira que dá aval geográfico aos seus vinhos, entre Garibaldi, Monte Belo do Sul e Bento Gonçalves, nada mais é que um convite irrecusável para aliar paladares e visuais num dos mais atraentes destinos de cicloturismo do país.

Quanto aos trechos de pedal, ressalta-se que, para além das agradáveis paisagens de parreirais, variadas vinícolas e colônias italianas do Vale dos Vinhedos, todos os arredores são bastante pródigos em atrativos. Um exemplo é o Vale do Rio das Antas, por onde pedala-se num caminho ricamente sombreado, tendo ao lado a barranca alta, desafiada por extensos laranjais, e ouvindo-se o Rio murmurar lá embaixo, já um tanto rouco por ter cedido águas a uma enorme hidrelétrica. Os Caminhos de Pedra, assim chamados pela concentração de edificações em pedra, e a Estrada do Sabor, cujo nome dispensa explicações, também abriram alas à passagem do expressivo pelotão cicloturístico.

Charme de umas, exagero de outras

Sobre as vinícolas, os efeitos da globalização massificante, como descritos no documentário Mondovino, em que tradicionais e pequenos produtores batalham pela sobrevida em meio às colossais corporações, são visíveis na região do Vale dos Vinhedos brasileiro. Assim, pode-se estar em meio a estímulos meramente consumistas e um tanto “fakes”, a exemplo da degustação na gigante Miolo; ou ser recebido pelo próprio herdeiro da família, que nos serve sem pressa amostras fartas de todas as suas obras-primas líquidas, num ambiente aconchegante e com charme original, como é a vinícola Don Giovanni. Ao que parece, nossos pedalantes gostaram mais da segunda opção, opinião da qual compartilhamos, e que poderá transformar-se em ajustes nas próximas saídas.

Já em quesito originalidade, destaque para a Osteria Della Colombina, tanto na gastronomia quanto nos cuidados com a preservação histórica do lugar. Fica em porão de pedra e chão batido, na Estrada do Sabor, e certamente seguirá fazendo parte de nossos roteiros.

Pela freqüente procura, somada a uma lista de espera gerada na última saída, é bem possível que haja outra para o Vale dos Vinhedos, tão logo nos seja possível, quiçá ainda neste ano. Aos interessados, entrem em contato com a gente – um motivo a mais para o próximo pacote acontecer logo, logo!

Esta entrada foi publicada em relato de viagem e marcada com a tag , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

2 respostas a Caminhos e Vinhos, combinação perfeita no Vale dos Vinhedos

  1. Prezados,
    Eu e minha mulher estaremos por duas vezes no RGrande: 16 à 18-maio (Canela) e 15-20 julho (Bento Gonçalves). Dispomos em cada caso 1 dia para pedalar entre os vinhedos. Os roteiros devem ser suaves, primeiro porque não somos atletas e segundo o fôlego é para uns 25 km sem subidas íngremes.
    Agradeço sugestões em grupo ou não, aluguel de bikes e dicas como as de cima, lugares para comer, pontos históricos, rotas legais de vistas.
    Podem nos ajudar?
    Ficariamos imensamente gratos
    Forte abnraço para a galera!!

  2. Olá Emerson!

    Em Canela ainda não temos roteiro nem pessoal local apto a te guiar, mas em Bento Gonçalves já temos uma equipe local pronta a te atender nesta data de julho. Há mais de um nível de dificuldade nos roteiros, um dia será até pouco para conhecer tanta beleza!
    Envie-nos um email para ficarmos em contato: pedale@caminhosdosertao.com.br

    Gratos e boas pedaladas! Equipe CdS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *