Audax Floripa 2011 – último dia para se inscrever, relato do Pereira de pedal no roteiro

Oi pessoal,

O que fazem notícias sobre Audax, série de pdaladas que inicia com 200 km (!) no site dos Caminhos do Sertão, que organiza viagens super tranquilas, com médias diárias de 30, 40 km?

Um primeiro motivo é obviamente a participação do Pereira, da equipe CdS, na série Audax 2010/2011, em julho ele vai à França participar da mítica Paris-Brest-Paris, “apenas” 1200 km quase sem sair do selim. Isso sim é gostar de pedalar!

Pois o prazer de pedalar é o segundo elo entre Audax e cicloturismo: são atividades que se para curtir a paisagem, ter no fim do dia o corpo cansado e a mente cheia de lembranças. Imagine um passeio por toda a ilha de Floripa (e um naco do continente de brinde!), pedalando do nascer ao pôr do sol acompanhado de 300 ciclistas… isso é o Audax. As inscrições acabam hoje – saiba mais e garanta sua vaga

Nessa semana, a Equipe Audax Floripa – Pereira, Della, Jorge e Nilson – percorreram o roteiro do próximo domingo, segue o sempre divertido relato do Pereira:

Ouvir o relógio chamar, às quatro e meia da madrugada, num domingo, e levantar da cama, é preciso ter um motivo muito especial. No caso de ontem, a brincadeira era fazer um treino ‘leve, em ritmo de passeio’, percorrendo o itinerário do Audax Floripa, num percurso de 200 km, pelas paisagens mais lindas e convidativas do Sul do Brasil.

Desde a aventura dos 600 km, a bicicleta ficou pendurada, na
garagem, e não tivemos mais oportunidade para passeios dominicais, em virtude das chuvas inoportunas dos últimos tempos, que coincidiram em molhar os domingos de março. Era à hora de esticar as canelas e congraçar com a turma mais animada que eu conheço, atendendo à convocação geral, para o esquenta da prova, que ocorrerá no dia 27 deste mês.

Não demorou muito e o Jorge apareceu no portão, vindo da
Armação do Pantosuli, e juntos seguimos para a Trindade, para esperar o pessoal. Estimávamos um grupo de uns dez participantes. Isto me dava certo conforto, pois os últimos dias foram de nenhum treino e pouco exercício físico. Além disso, para atender a um programa do plano de saúde funcional, havia
passado a semana inteira sem comer proteína animal, para realização de exames de rotina do intestino. Ou seja, estava me sentindo meio tísico. Mas, seguimos assim mesmo.

Na hora combinada para a partida, estávamos os quatro
mosqueteiros da Equipe Audax Floripa. O Jefon Della, seu fiel escudeiro Nilson Cacá, e a dupla caipira do Sul da Ilha. Ninguém havia atendido ao nosso chamado. Não sei porque….

Como a equipe está se preparando para fazer um ‘Fleche’, que
é um desafio de 400 km, de regularidade, para o próximo feriado da páscoa, a ordem foi de fazermos nosso treino no ritmo de 24  km/h, exigido para esta etapa, muito acima do proposto para as provas convencionais, que é de 15 km/h.
Na hora, senti as pernas tremerem, pois não me sentia preparado para tal desafio, uma vez que a falta de treino nos últimos dias me deixou enferrujado.

Mas, como marujo de navio pirata não está acostumado com
moleza, só sobrou uma bela risada e acatar a orientação, dentro do espírito participativo festivo, acreditando que não seria tão difícil, visto as experiências anteriores já vivenciadas. Afinal, a empreitada só tem sentido se for realizada com satisfação e curtição, pois se o corpicho reclama dos maus tratos, a alma se rejubila, pelo prazer de contemplar toda esta beleza de natureza. A Lua, que neste final de semana esteve mais próxima da Terra, nos fazia companhia, no início da nossa empreitada. A Avenida Beira Mar estava toda sinalizada, para a realização da Meia Maratona de Florianópolis, que iniciaria mais tarde. Já haviam participantes e organizadores, no Trapiche, quando passamos por ali. Seguíamos pela ciclovia, para evitar os retardatários da
madrugada, sem conseguir evitar os cacos de vidro, que os retardados jogam naquela via, em forma de garrafa de cerveja, especialmente na região do Koxixos. Nossos pneus morrem de medo daqueles pedacinhos contundentes, que costumam interromper a alegria de pedalar, para trocas. Felizmente conseguimos vencer aqueles obstáculos, sem maiores transtornos.

Atravessar por baixo da Ponte é sempre aquela emoção maior,
pois ali costumam perambular alguns cidadãos desassistidos, que sempre colocam medo nos ciclistas, em virtude da falta de segurança da área, abandonada à sua própria sorte. Mas, como vamos em bando, nada de mal nos acontece. Ganhamos os
Estreitos Unidos, atravessando o bairro com muita tranqüilidade, pois a cidade ainda dorme. Ganhamos São José, seguindo rumo à Ponta de Baixo. Paisagens que misturam o perímetro urbano com alguns recantos bucólicos, onde podemos ver pescadores remexendo suas redes, em busca do peixe que parece que não veio.

Depois de 50 km, estávamos de volta na Ilha, seguindo para o Sul. Pegamos a ciclovia da Via Expressa Sul, onde os pontilhões apresentam irregularidades no piso, sem terem sido consertadas desde a sua inauguração. Ao chegar no complexo do Trevo da Seta, vê-se a falta de respeito aos seres humanos que circulam a pé, ou de bici. As obras para o novo complexo provocaram
a destruição da calçada, no trecho periférico das obras. Pois a sutileza da corrupção fez com que fosse construído um arremedo de ciclofarsa, que não liga nada a coisa nenhuma, e deixou a calçada destruída, com um monte de entulhos atrapalhando o movimento dos cidadãos normais. Bela amostra de como o poder público e suas empresas contratadas cuidam da segurança e tranqüilidade dos cidadãos.

Como não conseguimos autorização da Base Aérea para
atravessar por seus domínios, tivemos que seguir pela SC 405, enfrentando a concorrência dos veículos motorizados, driblando os buracos, falta de acostamento, calçadas, pedestres, ciclistas na contra mão. Seguimos rumo ao Ribeirão da Ilha, até o final do asfalto, retornando rumo ao Pantosuli, com uma paradinha para o café, na Padaria do Nilso, no Trevo do Erasmo. Eu já estava precisando de um isotônico direto na veia. O que salvou foi o pão de queijo com calabresa e o café com leite. Até ali tínhamos percorrido um terço do percurso.

O trecho Sul, passando pelo Morro das Pedras, Lagoa do Peri,
Armação, Açores é um dos mais fotogênicos da Ilha. Ali ganhamos a companhia de mais um pedaleiro, o Yuri, mecânico do Della. Atravessamos o Campeche, encontrando os quiridos do Grupo Duas Rodas, tomando café no Canto da Lagoa.
Seguimos pela Barra da Lagoa e Rio Vermelho, onde a rodovia permite que se ande em bloco, aproveitando mais o vácuo do pelotão. Pra mim, é aí que o sufoco aumenta, pois a rapaziada se empolga, aumentando o ritmo para quase quarenta por hora, e eu vou pendurado, com a gravata vermelha esticando até o pescoço.
Começam as amarguras das dobras e das pregas, especialmente das regiões glúteas e adjacentes. Depois de passar pelo Costão do Santinho, uma parada para comprar água e afins, quando encontramos mais dois empolgados, que estavam fazendo seu
treino pra domingo que vem: Nilson e Lúcio. Uma conversa rápida e seguimos nosso caminho, rumo à praia da Lagoinha, uma das mais lindas e aconchegantes da Ilha. Dali, começava o trecho final, de volta ao local onde tudo começara. Mais
uma paradinha na Vargem Pequena, para tomar um pão líquido, geladérrima, que desceu redondo, com gosto de quero mais. Um verdadeiro elixir, para aplacar as dores musculares. Dali pra adiante, é só alegria…

Depois de passar por Jurerê, Jurerê Internacional, Santo
Antônio, Cacupé e João Paulo, chegamos ao ponto de partida após oito horas e quinze minutos. Um ritmo que não é bem o que estou acostumado, mas que consegui superar, com o apoio moral e a animação dos companheiros de equipe. Não anotei as
médias percorridas, nem os níveis de consumo de energia. Apenas podia sentir e registrar o alto nível de satisfação, pela conclusão de mais este desafio festivo. Domingo que vem tem mais.

Saudações audaxiosas,

Luiz Pereira – Equipe Audax Floripa


Esta entrada foi publicada em notícia, relato de pedalada, relato de viagem e marcada com a tag , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

2 respostas a Audax Floripa 2011 – último dia para se inscrever, relato do Pereira de pedal no roteiro

  1. Paulo Velloso disse:

    Meus parabéns pelo blog e relatos!
    Textos muitíssimo bem escritos! Relatos que conseguem transmitir um pouco da emoção dessa atividade fascinante: pedalar.
    Grande abraço!

  2. Eduardo Bernardon disse:

    Acompanho o comentário acima do Paulo: TEXTO MUITO BEM ESCRITO.
    Iniciei a minha preparação “psicológica” para estrear no Audax e tenho lido diversos relatos, para saber as dificuldades enfrentadas e dicas dos mais experientes.

    Parabéns pelo texto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *