Samba no Pedal: Sol, morros e cachoeiras de Urubici

Relato da cicloviagem em Urubici – Serra Catarinense – em fevereiro de 2012
Saiba mais sobre esse roteiro em: www.caminhosdosertao.com.br/destinos/urubici/
fotos e texto por Equipe Caminhos do Sertão

Debaixo de um sol radiante e calor incomum para estas altitudes serranas, 20 cicloviajantes desbravaram as belezas de Urubici no último Carnaval. Como reza a tradição, montamos o bloco com o pelotão ciclístico à frente, sendo escoltado pelo fecha-alas, nosso carro alegórico que está sempre por ali para prestar apoio, puxando a engenhosa carreta que traslada as magrelas.

Como de praxe, ocupamos todas as dependências (chalés e casarão) do Sítio-Pousada Arroio da Serra, onde a informalidade e o carinho familiar fazem toda diferença. Dali partíamos, durante os 4 dias do feriado, para as pedaladas nos melhores roteiros da região.

Com o início da colheita da maçã, pés carregados de fruta madura enfeitavam os caminhos. O sol onipresente realçava o contraste das cores deixando tudo mais bonito: maçãs, lavouras, mares de morros, paredões rochosos, araucárias, realmente um deleite visual com as bênçãos de Momo.

Os 6 mais guerreiros dispensaram a carona da van e subiram pedalando o legendário Morro da Igreja, de cujo acesso com 17 km, pelo menos uns 13 são pura subida. Todos, no entanto, puderam presenciar em plenitude a dobradura de morros que se espraiam a partir do mirante do topo, coroada por ela, a mais ilustre e famosa, a Pedra Furada. Destaque-se que nem sempre é possível apreciar esta paisagem com tamanha intensidade, já que é comum a neblina invadir o recinto, mesmo em dias de sol.

Uma das maiores mudanças recentes em Urubici foi a conclusão de boa parte do asfalto na estrada que conduz à Serra do Corvo Branco. Temíamos por ele, que é um direito de conforto aos moradores, mas que sempre traz consigo os perigos da velocidade. Com bom acostamento e pouco fluxo de automóveis, porém, o asfaltamento não trouxe ônus aos cicloviajantes. Poucos quilômetros a frente da comunidade São Pedro o tapete preto termina, recolocando-nos na estradinha estreita e pedregosa, que assim segue até o alto da Serra do Corvo Branco, galgada bravamente por todos os pedalantes.

Embora o asfalto imponha-se, outros tantos caminhos jamais perdem a aura charmosa de estradinha do interior, como a incrível Estrada do Invernador, onde a abundância de araucárias situa-nos há mais de 5 décadas, antes da exploração destas espécies; e também os caminhos da localidade de São Francisco e seus vales férteis cortados pelo Rio Canoas, que conduzem a pontos marcantes desta viagem, como o Morro do Campestre e as cachoeiras do Rio 7 Quedas.

Independente do frio que a fez famosa, Urubici(cleta) é perfeita para pedalar o ano inteiro, que o digam seus cenários incomuns, suas cachoeiras e rios, sua gente tranqüila. Encha seus olhos com as fotos e vídeo a seguir – e consulte nosso calendário, para saber qual é a próxima oportunidade de entregar-se a essa aventura!

Saiba mais sobre esse roteiro em: www.caminhosdosertao.com.br/destinos/urubici/

Video da Aline, com perfeita trilha sonora:

Videos da Bea, com humor impagável:

Saiba mais sobre esse roteiro em
www.caminhosdosertao.com.br/destinos/urubici/

Esta entrada foi publicada em relato de viagem e marcada com a tag , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

4 respostas a Samba no Pedal: Sol, morros e cachoeiras de Urubici

  1. João H. G. Short disse:

    Bom informativo. As fotos são espetaculares.

  2. Fernanda Klein disse:

    Simplesmente o máximo! 😉

  3. Benno Frank disse:

    Lindas fotos. Quem è o “Suiç0 Compatriota” nas fotos?
    abraços
    Benno

  4. Olá Benno ! É o nosso teuto-brasileiro Jonatha sócio da CdS 😉
    Aguardamos a visita do suiço autêntico hehe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *